Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio KD Inovações Tecnológicas

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores  >  Livros
Capa de Dominando o Raio

Dominando o Raio



Capítulo 11 - Antecipação

      Às 6h18min da Segunda-feira, o alarme simulado ecoou por toda Tupã I:

- ATENÇÃO! ISTO É UM EXERCÍCIO! TEMPESTADE NÍVEL 3 SE APROXIMANDO PELO SUL!

      Cada membro da equipe ocupou sua posição e deu início às verificações de rotina. Fábio assumiu a posição de coordenador e guarneceu um console que lhe permitia monitorar todos equipamentos e todas as fases do experimento. Ele também tinha ao seu dispor um sistema de comunicação audio-visual que lhe possibilitava entrar em contato com qualquer um dos membros da equipe.

      Antonio, o engenheiro civil, ficou com a importante missão de acompanhar o desempenho da estrutura e de toda a instalação elétrica de Tupã I. Devido à grande quantidade de energia que deveria ser absorvida em um espaço de tempo tão curto, toda a estrutura e a cabeação elétrica seriam submetidas a esforços extremos. Para tal, toda a estrutura de Tupã I fora preparada com sensores de esforços mecânicos, que enviavam seus sinais para um console, de onde também poderia ser monitorado o estado da instalação elétrica de toda a unidade.

      Cada um dos demais membros da equipe monitorava uma parte do experimento. Assim que recebiam alguma informação importante, comunicavam-se com Fábio, que tinha uma visão completa do andamento de todo o experimento.

      Somente duas pessoas se comunicariam com o veículo: Fábio e Fernanda. Fábio passaria uma visão geral do andamento do teste e receberia de Luiz todas as informações importantes. Fernanda tinha a função de orientar o veículo, devendo passar os dados relativos às tempestades e as coordenadas dos locais de maior probabilidade de queda de raios.

      Luiz, a bordo do Corisco I, dirigiu-se para o ponto de espera, localizado no centro da área de coleta. O veículo deveria ficar naquele ponto até receber as coordenadas do local da queda de um raio. Minutos depois, recebeu a seguinte comunicação:

- RAIO A 3 km EM 0-4-5! - Fernanda informou a posição prevista para queda do raio em um local a 3 km do ponto de espera, numa direção a 45º do Norte geográfico.

      Luiz acelerou ao máximo o veículo, rumando para Nordeste. Ao chegar no ponto informado em 42 segundos, ele deu início ao processo simulado de coleta. Um programa de computador simulava todo o processo de coleta e de transmissão para Tupã I.

      Toda a manhã daquele dia foi utilizada para exercícios deste tipo. Os resultados informados pelo computador permitiram vários ajustes e a correção de alguns procedimentos, além do alinhamento das antenas parabólicas do veículo e de Tupã I. Devido às distâncias entre o veículo e Tupã I, um desvio de poucos décimos de grau enviaria toda aquela enorme quantidade de energia para um ponto fora da antena receptora e poderia até destruir a estação. Era importante que esse alinhamento fosse verificado entre cada um dos veículos e a estação. Uma vez alinhados, o computador de bordo, juntamente com o computador central da estação, manteriam os ajustes dentro do nível exigido de precisão.

      Por volta do meio-dia, Luiz interrompeu os testes, dispensando todos para o almoço. No início da tarde, seriam retomados os experimentos simulados com o emprego de Corisco II. Era sua intenção alternar os veículos para, além da correção de prováveis desalinhamentos das antenas, testá-los e garantir a disponibilidade de todos os três veículos.

      O resto da Segunda-feira e também todo o dia seguinte foram tomados por testes e ajustes. Na noite da Terça-feira, Fernanda procurou Luiz:

- Gostaria de dividir com você uma certa preocupação minha!
- Pois não, é só falar! - disse Luiz curioso - Algo vai mal?
- Estamos a cerca de três semanas do início da temporada de raios. Contudo, não existe uma data pré-definida para ela começar. Só temos de concreto um conjunto de estatísticas que nos diz que, nos últimos 25 anos, ela se iniciou na primeira semana do verão, com uma variação de 3 a 4 dias ao longo de todos esses anos.
- Três semanas são mais do que suficiente para repassarmos todos os procedimentos e garantirmos o adestramento de toda a equipe. Segundo nosso cronograma de atividades, nós precisaremos de apenas doze dias para nos prepararmos para a experiência.
- Esta é a minha preocupação! Estive analisando os mapas recebidos do satélite meteorológico relativos ao último mês e eles confirmam as estatísticas. Contudo, desde que o nosso radar meteorológico ficou pronto, eu tenho comparado as suas indicações com as informações do satélite e o mais curioso é que elas não batem.
- Como assim?
- O satélite informa que a estatística está se cumprindo e o nosso radar indica que a temporada de raios começará bem antes. Após o início da temporada de raios, nós ficaremos praticamente ilhados nessa área, inclusive no que diz respeito às comunicações, pois ficaremos impedidos de enviar quaisquer sinais de rádio, podendo apenas recebê-los. Assim, só teremos a informação do satélite meteorológico, que nos dá uma visão macro de toda essa parte do país, e do nosso próprio radar, que fornece um posição mais detalhada de nossa região.
- Você já checou o funcionamento do nosso radar, minha querida?
- Várias vezes e ele está funcionando corretamente! - foi a resposta seca de Fernanda que, embora intimamente tenha gostado da expressão usada por Luiz, não admitia ter suas convicções profissionais questionadas por ela ser uma mulher.
- Então o que você me diz? - perguntou Luiz, desconcertado com a expressão facial de Fernanda.
- Eu devo confiar nas informações que eu tenho. O radar está funcionando perfeitamente bem, pois eu o testei. Quanto ao satélite, eu não tenho certeza.
- Você está colocando em dúvida o funcionamento do satélite meteorológico?
- Sim e estou sendo imparcial neste julgamento. Nosso equipamento, cujo funcionamento foi verificado e comprovado, informa que dentro de, no máximo, uma semana teremos fortes tempestades que marcarão o início da temporada de raios.
- Você só pode estar brincando! – desabafou Luiz.
- Não! Quando lhe falei que desejava dividir minha preocupação, eu pretendia lhe informar o fato e sugerir uma estratégia para aproveitar essa semana para nos prepararmos, tanto para os experimentos como também para ficarmos isolados da civilização por cerca de dois meses.
- Hummm,....

      Luiz pareceu ter entrado momentaneamente em órbita, como que se tentasse digerir aquela informação inesperada. Mas, rapidamente se recompôs dizendo:

- Se eu bem entendi, isso poderia ser apenas uma intuição.
- Sim! Mas, depois de trabalhar por mais de cinco anos fazendo previsões meteorológicas sem jamais ter errado uma delas, acho que minha intuição já se desenvolveu o bastante para eu lhe afirmar que dentro de uma semana nós estaremos diante de uma das maiores concentrações de raios dos últimos 25 anos.
- Bom, como não há nada que possamos fazer agora, acho que poderemos continuar nossa conversa amanhã de manhã. Gostaria de lhe convidar para tomar café comigo e com o tio Fábio, o que você me diz? - finalizou Luiz, simulando um sono excessivo para encerrar a conversa. Ele precisava de tempo para pensar.
- Tudo bem, boa noite! - Fernanda se despediu e saiu meio decepcionada com a reação de Luiz, cuja passividade lhe causou uma certa frustração.

      Luiz não conseguiu dormir. Por toda a noite ele contrastou a hipótese do período de raios começar na época prevista com a de Fernanda estar certa. Caso estivesse, seria necessário estar preparado para iniciar os experimentos com um mínimo de adestramento e também muito bem abastecido. O pior de tudo era que os preparativos exigidos para cada uma dessas hipóteses eram bastante diferentes e não podiam ser realizados conjuntamente. Ao olhar pela janela, Luiz viu um dia claro e límpido e se perguntou se não teria sido melhor contar com uma equipe de meteorologistas em vez de apenas uma especialista.

      Luiz telefonou para Fábio, pedindo-lhe que fosse até o seu quarto o mais rápido possível. Faltavam cerca de quarenta minutos para a hora do café. Após contar todo o caso para Fábio, pediu-lhe um conselho. Fábio esbravejou:

- Você me fez vir até aqui todo descabelado, de pijama e com barba por fazer, somente para me falar isso? Eu ainda devo estar sonhando!
- Isso é sério! A nossa única meteorologista coloca em dúvida as informações do satélite meteorológico e as estatísticas dos últimos 25 anos, nos diz que a temporada de raios começará dentro de uma semana e você me vem com brincadeiras?
- Acho que você não me compreendeu, Luiz! - disse Fábio bastante sério - Você está atribuindo pesos errados às informações recebidas.
- Como assim?
- Você tem dados estatísticos e mapas meteorológicos recebidos de um satélite, ambos são informações gerais que poderiam ser analisadas por qualquer um que tenha aprendido, por correspondência, os princípios básicos da meteorologia. Por outro lado, você tem uma informação específica fornecida por uma das mais respeitadas meteorologistas do país, cujo currículo profissional está acima de qualquer suspeita. Qual é a sua dúvida, meu sobrinho?
- Você quer dizer que eu devo dar ouvidos à Fernanda?
- Luiz, você deveria confiar mais na capacitação profissional da Dra. Fernanda, se não for assim acho melhor dispensá-la. Convém lembrar que demití-la seria uma grande perda para nós, pois seus atributos profissionais a qualificam como uma pessoa indispensável aos nossos experimentos.

      Aquela era a resposta que Luiz precisava ouvir. Após sugerir a Fábio que se preparasse, trocou de roupa e rumou para o restaurante. Lá chegando, encontrou Fernanda já sentada à mesa:

- Bom dia, Fernanda! Desculpe-me o atraso! Pensei muito no que você me disse ontem à noite e acho que teremos muito o que conversar, para podermos alterar os nossos planos. Afinal, conforme você me disse, temos apenas uma semana.
- Ufa! Fico feliz por saber que você acreditou em mim. Realmente estava muito preocupada em ter que lhe provar que eu estava certa.
- Como assim?
- Ontem à noite eu só conseguia imaginar duas alternativas: lhe convencer dessa nova situação ou pedir minhas contas, pois eu não pretendia ficar ilhada por dois meses em um local onde faltaria tudo, por não ter sido prevista a antecipação da temporada de raios.
- Você abandonaria o projeto apenas por eu não considerar sua opinião?
- Não somente mas também por este motivo! Afinal, seria uma pessoa a menos para dividir a pouca comida existente em estoque. Mas isso agora não importa! Para poder lhe convencer sobre minhas suspeitas, eu solicitei aos meus amigos do Ministério da Agricultura que me enviassem alguns boletins meteorológicos recentes, relativos a essa região e eles chegaram há pouco.
- E então? - perguntou Luiz.
- Bom, segundo estes boletins teremos uma tempestade muito forte dentro de seis dias. - disse Fernanda, mostrando os documentos para Luiz - Ela marcará o início da temporada de raios.
- Então é preciso agir imediatamente! - disse Luiz, levantando-se da mesa.

      Mais tranqüila, Fernanda acabou de tomar o seu café quando chegou Fábio. Com um sorriso nos lábios, ela o cumprimentou e informou-lhe que Luiz saíra para tratar de algumas providências urgentes. Fazendo-se de desentendido, Fábio pediu que ela lhe explicasse o que havia acontecido. Os dois conversaram muito sobre a novidade, enquanto tomavam café. Depois foram até o escritório de Luiz para ver como ele estava se saindo.

      Ao mesmo tempo em que elaborava uma lista de atividades, Luiz telefonava para a empresa solicitando o máximo de ajuda de que pudesse dispor. Ao ver Fábio e Fernanda adentrarem seu escritório, esboçou um sorriso e lhes disse:

- Até que enfim me aparece alguém! Fernanda, ligue por favor para o nosso fornecedor de gêneros, o telefone está na agenda. Peça-lhe para antecipar a nossa encomenda. Diga-lhe que precisaremos de tudo dentro de, no máximo, quatro dias. Use o seu charme ou diga-lhe que pagaremos a mais, faça qualquer coisa, mas consiga que ele nos entregue tudo a tempo! – disse Luiz.
- Tio, reúna todos os membros da equipe e lhes informe da mudança de planos. Precisaremos repassar todos os procedimentos em até cinco dias. Faça uma seleção dos procedimentos mais importantes e deixe os complementares somente para o caso de dar tempo. Solicite um voluntário para guiar o veículo em meu lugar durante os testes e peça para um dos físicos ocupar interinamente o lugar de Fernanda. - Luiz estava a mil e praticamente falava sem parar para respirar.

      Enquanto Fábio reunia a equipe, Luiz e Fernanda telefonavam para todos os fornecedores para lhes solicitar a antecipação das encomendas já feitas. Era vital que tudo fosse entregue antes do início da temporada de raios. Depois de horas ao telefone, ambos necessitavam de um pouco de descanso. Boa parte do problema estava equacionada, permitindo-lhes diminuir o ritmo frenético em que estavam. Aproveitando essa oportunidade, Fernanda disse:

- Só uma coisa ainda me intriga. Como uma fonte de informação tão confiável pode enviar dados incorretos durante tanto tempo. O satélite meteorológico é uma referência nacional e tem sido considerado por todos como a principal fonte de informações para previsões do tempo.
- Embora concorde com você, acho que isso não vem ao caso no momento. Tentarei entrar em contato com o nosso patrocinador e lhe pedir para averiguar este fato.

      Depois de acertarem a antecipação de todos os fornecimentos, os dois dirigiram sua conversa para as providências necessárias ao experimento:

- Você afirmou que deveremos ter uma tempestade muito forte. - perguntou Luiz.
- Sim, segundo as informações obtidas deveremos ter a mais forte tempestade dos últimos 25 anos. Eu estou usando essa escala de tempo porque as estatísticas dessa região só foram iniciadas há 25 anos atrás. Pode ser que essa tempestade seja a maior do século ou algo pior!
- Você não acha que está exagerando um pouco?
- De uma escala de 0 a 10, eu classificaria essa tempestade com grau entre 9 e 9,3. Posso lhe afirmar que nós teremos realmente um batismo de fogo!
- Estaremos testando o equipamento em condições extremas. - disse Luiz, tentando se animar e aparentar alguma segurança - Mas o que poderemos fazer com relação a isso? Você sugere alguma mudança de procedimento em função deste fato novo?
- Não! Eu apenas acho que toda a equipe deverá estar avisada disto e estar muito bem preparada para tudo, inclusive para os procedimentos de emergência.
- Tudo bem! Vou comunicar a todos, incluindo o pessoal das turmas de manutenção e de apoio cujos integrantes estão no mesmo barco que nós.

      Além dos membros da equipe, havia cerca de 30 pessoas que prestavam o apoio técnico e administrativo. Eram mecânicos, eletricistas, técnicos em eletrônica, cozinheiros, serventes, além da secretaria de Luiz, um médico e três enfermeiros.

      Logo após o almoço, Luiz reuniu todos no restaurante e lhes deu a notícia. A princípio, houve uma certa apreensão. Mas, graças à intervenção de Fábio, todos relaxaram e se mostraram prontos para a novidade.

      Quatro dias depois, conforme combinado, todo o material e gêneros esperados já tinham sido entregues e estavam sendo devidamente estocados. Houve tempo para que Luiz participasse de alguns testes como piloto do veículo.

      Motivado pela condição um tanto quanto alarmista de Fernanda, Luiz solicitou ao fabricante dos veículos as informações sobre as limitações de operação dos mesmos. Foi informado que os veículos tinham sido projetados para operar com ventos laterais de até 120 km/h, umidade relativa de 99% e em terrenos com lâmina d'água de até 50 cm. Essas informações seriam importantes para saber até quando poderiam ser conduzidos os experimentos.

      No dia anterior ao previsto para a chegada da tempestade, o céu amanhecera muito fechado. O vento forte, ainda morno, era o prenúncio de uma frente fria que chegaria em breve. Fernanda acompanhava todas as informações meteorológicas de que dispunha. Ao ser surpreendida com a visita de Luiz, ela lhe disse:

- Pelas informações que venho colhendo nas últimas horas, a tempestade se iniciará amanhã por volta das 7 horas da manhã. Deveremos ter rajadas de vento de até 80 km/h, o que não impedirá a realização dos experimentos.
- Bom, acho que pelo menos temos alguma boa notícia. Eu temia não poder iniciar os experimentos amanhã devido a um tempo muito ruim.






CAPÍTULO 10 Seta para esquerda Página de índice
ÍNDICE
Seta para direita CAPÍTULO 12


ENVIE esta página para um(a) amigo(a).


FALE com o autor.


Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2008
  • Todos os direitos reservados.