Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio KD Inovações Tecnológicas

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores  >  Livros
Capa de Dominando o Raio

Dominando o Raio



Capítulo 9 - Preparativos

      As obras foram iniciadas imediatamente após a conclusão da fase de projeto. Tudo deveria estar pronto exatamente um mês antes do início da temporada de tempestades. Nessa época, o acesso àquela região era extremamente difícil, deixando-a praticamente isolada do resto do mundo. Durante a construção de Tupã I foram realizados alguns trabalhos de terraplanagem para que obstáculos, tais como pequenos montes e buracos, fossem retirados do caminho do veículo coletor de raios, que fora projetado para vencer obstáculos de até sessenta centímetros de altura.

      Toda a equipe se mudou para uma fazenda localizada a uns 100 km do local de construção de Tupã I. Isso permitiu uma melhor adaptação dos membros da equipe com a região, que tinha características climáticas muito diferentes daquelas com as quais todos estavam acostumados.

      Luiz, Fábio e Antonio, o engenheiro civil, visitavam a obra a cada quinze dias. Com este expediente, diversas irregularidades foram detectadas a tempo de serem corrigidas sem comprometer o prazo de entrega da obra. Foi empregada uma empresa de Garantia da Qualidade para o acompanhamento diário da obra. A verificação por parte dos seus futuros usuários funcionava como uma espécie de auditoria de qualidade, supervisionando o trabalho da empresa contratada.

      Passados seis meses de obras, Fábio propôs a Luiz:

- As obras estão rigorosamente dentro do cronograma, todos os equipamentos principais já foram encomendados e deverão ser entregues dentro de dez semanas. Enfim, como tudo está perfeitamente dentro do previsto, calculo que deveremos ter uns dois meses de calmaria para boa parte da equipe. Acho que agora é uma boa época para que a grande maioria saia de férias e retorne dentro de um mês.
- Acho uma excelente idéia! - respondeu Luiz - O restante da equipe deverá tirar férias quando o primeiro grupo retornar. Assim, todos estarão descansados e psicologicamente preparados para entrar na reta final dos preparativos para a experiência. Isso também se aplica a você, meu caro tio!
- Por que você está dizendo isso? Não está satisfeito com a minha participação?
- Muito pelo contrário! Sua participação tem sido fundamental para termos chegado até aqui. Exatamente por esse motivo, eu quero vê-lo em perfeitas condições quando começarem os testes. Ultimamente, você tem falado muito em uma praia paradisíaca onde, no ano passado, conheceu uma certa pessoa.
- Ah! Isso foi há um ano atrás e ela só me telefonou umas duas ou três vezes em todo esse ano. Acho que você quer mesmo é se livrar de mim!
- Não é nada disso, tio! Está na hora de você dar uma parada para descansar e aproveitar a oportunidade para ir saber por que ela não te ligou mais vezes, como você esperava. Amanhã você entra de férias! Vou solicitar agora mesmo as passagens para você. - concluiu Luiz, já interfonando para sua secretária.

      Fábio saiu cabisbaixo da sala de Luiz. Em sua cabeça havia uma confusão de sentimentos, que oscilavam entre a tristeza de ficar longe do projeto e uma grande alegria, por ter a chance de rever alguém muito querido. Luiz sabia muito bem o que estava fazendo. Fábio vinha trabalhando demais nos últimos tempos e estava na hora dele parar por uns tempos para recarregar suas baterias.

      Durante o mês que se seguiu, houve poucas atividades para a turma que ficou. Luiz aproveitou aquele tempo mais folgado para rever os planos sobre as atividades futuras, visitar a fábrica dos veículos e ter algumas aulas de pilotagem. O andamento das obras continuava dentro da prazo estabelecido.

      Passado um mês, Fábio apareceu bem cedo no alojamento de Luiz:

- Bom dia, meu querido sobrinho! - disse Fábio, com um sorriso nos lábios e uma expressão de felicidade jamais vista por Luiz.
- Tio! Você já chegou? - exclamou Luiz, bocejando e esfregando os olhos vermelhos de sono - Eu lhe enviei um fax na semana passada para lhe dizer que você só precisaria retornar daqui a dez dias.
- Eu recebi esse fax, mas achei que era uma brincadeira sua e resolvi voltar dentro do prazo inicialmente combinado. Afinal, creio que temos uma grande quantidade de atividades daqui para frente.
- Esse é o meu velho tio! - disse Luiz - Mas diga-me, como foram as férias?
- Maravilhosas, meu caro sobrinho! Principalmente por que eu acabei de lhe arranjar uma tia. Eu e Rosa ficamos noivos! Eu já havia lhe dito que o nome dela é Rosa?
- Não, isto é, sim! - respondeu Luiz, atônito com a recente novidade.
- Pois bem, eu e Rosa combinamos que, daqui para frente, nos falaremos mais vezes e, assim que os experimentos estiverem concluídos, juntaremos nossas coisas em uma modesta solenidade matrimonial.

      Após um breve desjejum, Fábio e Luiz falaram sobre o andamento das obras. Com um relato dos principais acontecimentos daquele mês, Luiz lembrou a Fábio que naquele dia também estariam retornando os membros da equipe que saíram de férias juntamente com ele. Era também necessário que o restante da equipe também saísse imediatamente de férias. Ao ouvir isso, Fábio aproveitou para ir à forra:

- Esse restante da equipe também inclui você, não é?
- Sim! - foi a resposta surpreendente de Luiz - Na verdade, eu também estou precisando muito de férias e sei que, durante a minha ausência, o projeto estará em boas mãos. Não é, meu prezado tio?
- Certamente, meu caro sobrinho! - respondeu Fábio, surpreso com essa inesperada resposta de Luiz.

      Luiz não informara ao seu tio que ele pretendia tirar apenas vinte dias de férias. O suficiente para relaxar um pouco, antes do que ele considerava como a prova de fogo: a conclusão das obras e o início da experiência.

      Luiz havia planejado tirar férias em um lugar tranqüilo, onde ele poderia colocar seus pensamentos em ordem e até pensar melhor sobre a sua vida pessoal. Na verdade, toda ela fora conduzida em torno de um ideal surgido quando ele era ainda uma criança e volta e meia, nos momentos menos atribulados, ele se perguntava se era somente aquilo que ele realmente desejava para sua vida. Mas toda vez que era abatido por este pensamento, ele voltava sua atenção para o seu objetivo e acabava sem concluir uma posição sobre o assunto. Todo aquele turbilhão de eventos, que começou com seu mestrado até o presente, fizeram Luiz amadurecer muito e ter uma visão mais crítica da vida. Aquelas férias seriam de grande importância para definir algumas coisas que vinham confundindo sua mente.

      Ao retornar das férias, Luiz encontrou um cenário um pouco diferente daquele que havia deixado. Mas nem tudo eram flores. A obra em geral estava dentro do cronograma estabelecido inicialmente, mas havia aspectos preocupantes. Alguns equipamentos importantes não chegariam a tempo. Assim que conseguiu deixar a bagagem no alojamento, Luiz convocou uma reunião com Fábio e Antonio:

- Senhores, gostaria de saber quais são exatamente os pontos que estão em discordância com o cronograma inicial.
- Basicamente, a obra está em dia, - respondeu Antonio - mas alguns equipamentos de potência foram reprovados nos testes preliminares de aceitação de fábrica e deverão sofrer algumas modificações para atender às nossas especificações.
- O que significa isso em termos de cronograma? Qual será o atraso?
- Deveremos receber esses equipamentos com uns dez dias de atraso.
- Mas ainda há algumas alternativas! - interveio Fábio - Poderemos intensificar os turnos de trabalho e com isso compensar parte deste atraso.
- Se acontecer exatamente como vocês estão me dizendo, - disse Luiz - como ficará o prazo de conclusão da obra?
- Nós estimamos que, se tudo ocorrer dentro do planejado, a obra sofrerá um atraso de, no máximo, uma semana. - respondeu Antonio.
- Uma semana de atraso ainda é muito! Não podemos correr o risco de enfrentarmos a temporada de raios com as obras ainda inacabadas. Seria muito perigoso! - disse Luiz - Por enquanto, assumiremos este atraso e tocaremos a obra com esse novo prazo. Mas, é importantíssimo que essa nova data seja a data final, sem nenhuma outra alteração. Deveremos pensar em tudo que for necessário para evitar novos adiamentos. E quanto ao restante, como você se saiu, meu caro tio? - perguntou Luiz, dispensando Antonio da reunião.
- Com exceção deste fato, todos os demais aspectos ocorreram maravilhosamente bem. Eu e Fernanda, nossa meteorologista, fizemos algumas medições no local do experimento. Verificamos a resistência elétrica do solo, sua composição básica, o regime de ventos na região e pudemos comprovar a existência de um forte campo magnético no local que, somado a um solo muito rico em minérios ferrosos, é a principal causa da grande incidência de raios naquela área.
- Creio que essa informação deverá ser estudada para sabermos se precisaremos mudar algum procedimento já estabelecido para as experiências.
- Eu também já tomei a liberdade de encomendar um estudo sobre isso e, depois de analisar os resultados, concluí que será necessário fazer algumas alterações nos veículos. Como o tempo era curto, eu já solicitei a implementação das mesmas.
- Bravo, tio! Eu não teria feito melhor! Mas quais foram as alterações?
- São quatro alterações: Primeiro, o aumento do curso do sistema de suspensão, para que o veículo fique mais afastado do solo. Será feita uma nova distribuição dos pesos internos para que o veículo não tenha sua estabilidade comprometida.
- Segundo, solicitei uma blindagem eletrostática dupla, para garantir mais ainda a segurança interna do piloto, isto é, a sua integridade física.
- Terceiro, solicitei a colocação de um sistema de compensação magnética, conhecida por degaussing, para que a interferência causada pelo veículo no forte campo magnético não venha a perturbar as experiências.
- Por último, serão adicionadas várias bobinas sob o veículo, para criar um campo magnético entre ele e o solo. Segundo Carla, a nossa engenheira de telecomunicações, este campo ajudará a refletir o raio coletado e direcioná-lo para Tupã I, através do feixe de microondas. Eu solicitei que Carla e os físicos preparassem uma apresentação para toda a equipe.
- Acho importantíssimo que, bem próximo da data de conclusão das obras, seja feita uma apresentação onde todo o contexto do experimento possa ser explicado para toda a equipe e para alguns representantes da empresa. - Dando-se por satisfeito, Luiz dirigiu-se ao seu escritório.

      A chegada dos equipamentos deu um novo ritmo às atividades de fechamento da obra. Era necessário que, depois de instalados, os equipamentos fossem verificados quanto à sua correta instalação e, após isso, fossem ligados e testados para comprovar o seu perfeito funcionamento.

      No nono mês de obra, chegaram os veículos, batizados por Fábio de Corisco I, II e III. Eram utilitários muito bonitos que, devido às suas linhas arrojadas, pareciam ter saído de um filme de ficção científica. O teste dos mesmos causou a maior sensação em todos, pois os veículos com seu acabamento externo em alumínio polido refletia a luz do sol, mesmo quando estavam a quilômetros de distância. O grave ronco dos seus potentes motores Diesel de alta rotação podiam ser ouvidos mesmo de longe.

      Todas as tardes, Luiz reservava cerca de duas horas para testar e praticar pilotagem dos veículos. Tratava-se de testes seríssimos quando eram verificadas as condições de reação do veículo, e também do terreno, segundo simulações de coleta de raios. Por um sistema de comunicação por laser, a torre de comando informava as posições de maior probabilidade de queda de raios. Ao recebê-las, Luiz teria cerca de 40 a 45 segundos para se deslocar até o local informado. Os primeiros testes não foram muito animadores, mas serviram para comprovar a enorme estabilidade dos veículos que, mesmo ao fazerem curvas bastante fechadas a velocidades em torno dos 150 km/h, mantinham-se firmes sem demonstrar nenhum risco de capotagem. À medida que Luiz ia se adaptando ao veículo, os resultados passaram a ser mais promissores até atingir os níveis desejados de desempenho.

      No décimo mês de obra, o cronograma estava fielmente dentro da última previsão. Faltavam apenas sete dias para o encerramento das obras. Era uma época de grande ansiedade entre todos, principalmente, durante os testes de aceitação final das instalações. Cada resultado positivo era comemorado como uma grande vitória. Luiz achou que estava na hora de convocar uma reunião de apresentação do projeto para todos os integrantes da equipe e representantes da empresa.






CAPÍTULO 8 Seta para esquerda Página de índice
ÍNDICE
Seta para direita CAPÍTULO 10


ENVIE esta página para um(a) amigo(a).


FALE com o autor.


Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2008
  • Todos os direitos reservados.