Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio KD Inovações Tecnológicas

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


CADÊ A CHUVA, CADÊ...?



					    
RUBEMAR ALVES ELA nasceu em casa, costume da época, parteira não resolveu, médico chamado extraordinariamente (que luxo!), e a prima de 14 anos foi afastada do ambiente dos gemidos por 3 dias. Nascera a princesinha! Parecia a Branca de Neve: desbotadíssima e de repente um pouco rosada se o leite demorasse a ser “servido” – futura senhorita “bom prato cheio”... Não sentiu o parto, mas sentia-se também “mãe” dela. Banhava, trocava fraldas (de pano, ainda!), protegia, dava presentinhos e brinquedinhos... Depois jardim de infância. Isso em evolução, durante alguns anos. Praça da Bandeira, bairro do Engenho Velho, ELA amava chuva e se divertia com as eternas enchentes (até hoje sem solução), jogava barquinhos de papel pela janela bastante alta da casa, frente de rua. Mudou-se bem menina ainda. Não foi o fim das águas. Depois, bairro de Catumbi, enchentes outras, terríveis, calamitosas, que só os engenheiros do Sambódromo conseguiram “curar”. Houve até música – “Choveu, Catumbi encheu...” Fugia de casa para entrar na água, por vezes pela cintura, agarrando-se nas grades das casas. Mais tarde a prima foi trabalhar numa grande loja de departamentos no centro da cidade. Houve badalado desfile de moda outono-inverno, aplaudidíssimo, com ainda muitas sobras do estoque das roupas elegantes... e bastante caras. Aniversário da mocinha chegando, 30 de maio, dia de Santa Joana D’Arc, heroína francesa, a prima separou uma capa de chuva. Seda grossa. Modelo parisiense? Talvez. Não era assim uma capa “qualquer” e podia ser também usada como casacão de frio pois tinha duas faces – uma azul-rei, brilhosa perolada, outra branca apresentando em preto desenho de pequenos guarda-chuvinhas. Ah, e um lenço de cabeça, grande, triangular, nos mesmos tecidos, a ponta ao longo do pescoço. (“Como é este lenço?” - ora, caro leitor, existe bem mais recente foto famosa da Audrey Hepburn.) Foi a apoteose. Um presentão! Acontecimento inédito no Rio de Janeiro. Simplesmente não chovia... Terminara maio, veio junho, seguiu julho, já entrando agosto e nada de São Pedro despejar água pesada na Terra! De vez em quando um vago chuvisquinho que logo passava. Povão em pânico, autoridades idem: brutal racionamento. Ainda tentaram uma tal de chuva artificial, nada deu certo. O frio também não deu as caras muito forte, de modo que ELA não conseguia estrear a famosa capa. Manhã de domingo, o pai a acordou com a feliz notícia de que... “Está chovendo!” Não assim uma chuva farta, porém mais que uma simples garoa. Na rua, as pessoas riam e confraternizavam. Calçadas apenas molhadas. Hora de comprar jornais. Tomou o lugar do pai, andarilho das manhãs. Higiene matinal, dentifrício, sabonete, banhou-se rapidamente, toalha, vestidinho fino e... a capa. Cor predileta era o azul, arrumou-se com a capa e o lenço. E botinha curta para combinar, em passos bem lentos, ELA desfilante. Exagero por desespero – até rimou. Jornaleiro espantado a atendeu sem comentar. Mas aí, “...só isto? (ELA pensou) – quero me exibir mais.” Sol ressurgindo, céu outra vez azul. Entrou na padaria, pediu pão-bisnaga (falava-se naquele tempo “pão... francês”). Saiu. Lembrou-se de expressão regional de amiga paulista: aí, junto ao balcão, ‘trocou-se’, isto é, virou capa e lenço pelo lado contrário, agora estamparia típica de chuva e sorriu para algumas pessoas até mesmo desconhecidas. Voltou para casa no mesmo passo ‘sempre-em-frente-(marche, não)-desfilante, agora quase rebolativa, mentalmente cantando vitória... Saiu de casa no outro dia, céu lindíssimo, nuvem nenhuma. “Capa- pra-quê-hoje?” Ficou no cabide. Tempestade no meio da tarde, chegou em casa encharcadíssima!!! F I M
Copyright ATHINGANOI © 2013
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 279 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Neste Natal, ganhei um chinelo dourado e, ao contrário, não consigo estrear porque tem chovido torrencialmente. Boa estória!

Postado por lucia maria em 03-02-2013

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.