Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio KD Inovações Tecnológicas

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


DAVI, MEU AMIGO JUDEUZINHO



					    
Entendo pouco de judaísmo - às vezes minha ajudante ANA SARA explica, nas nossas reuniões de condomínio em que sou síndico vitalício, no geral o filho DAVI complica. Repito o que ouvi e mais nada: “Chanucá, hanucá ou hanukkah - Consagração. Festival das luzes. Acontecimento do ano 168 a. C., estória antiga. Quando a cultura grega dominava o mundo, certo rei queria ser adorado em estátua como um deus. Mandaram que um judeu imolasse o touro em honra dele, recusou-se, foi morto; assim, toda a comunidade judia matou a guarnição militar inteira e fugiram para as florestas e montanhas, perseguidos por soldados mercenários e elefantes, porém nada sofreram e voltaram em tempo não muito curto. O templo deveria estar sempre iluminado com uma vela vermelha; acontece que o óleo duraria normalmente um só d ia e por milagre durou oito. Daí em diante, até hoje o festejo dura estes dias, inclusive com troca de presentes. Data móvel, às vezes por acaso perto do Natal cristão. Em 2013, o período vai de 27 de novembro a 5 de dezembro. Em 2014, será de 16 a 24 de dezembro.” Aprendi que é uma festa alegre, parente e amigos se reúnem, e de acordo com a tradição os adultos dão às crianças presentes em dinheiro com a liberdade de gastar como bem entenderem. Imagine-se os sentimentos de alegria e excitação de DAVI, autopromovido à “representante” da irmãzinha DÉBORA, nascida há apenas 7 meses. Metido a profeta ou adivinhão: calcula (na verdade, pretende!) receber o suficiente para comprar a crédito uma bicicleta vermelha (ensinei cor de valente guerreiro). “Pagar em duas vezes, taya!” Vai me escolher como fiador?! Bom, e uma rosa branca, cor da paz, para a ANINHA do 301... Será mais um tabefe. O certo seriam 8 dias sem aula (bom, lá em Israel). Rezar, benzer as 8 velas, acender o candelabro de prata, comer certas delícias fritas em óleo de oliva, entre outras, sonhos com geleia (sufganyot) e bolinhos ou panquecas de batata com gordura de ganso (levivot ou latkes), bolinhas de queijo e também azeitonas, e jogar um dado (dreidl), onde está escrito “Aconteceu um milagre”... Dinheiro de pai não vale como “presente”, pois é o dono da casa, já sustenta os filhos pequenos - mas DAVI não recusou o dinheiro. Os visitantes foram chegando pouco a pouco. O guri criou um livro de assinaturas (EU ainda inocente servi como bode expiatório e cúmplice, pois cedi papel ofício e ainda paguei uma folha de cartolina, capa do tal livro) - cada pessoa escreveria ali quanto desse a ele. Depois, o espertíssimo DAVI começou a confrontar todo mundo, discreto, chamando num canto, para conversar “de homem (?) para homem”. E assim, este “tio” (verdadeiro ou palavra de respeito) comerciante nunca poderia dar ‘menos’ que o outro “tio” doutor... e vice-versa... mostrava o livro... e foi acumulando as diferenças. Na minha vez, sem protesto nomeado cristão-novo, sou sempre o encarregado de contar quanto ele conseguiu - pego as moedas para mim, dou notas, sempre valor um pouco maior; é ao contrário porque eu trabalho para ele que nunca me paga e ainda me leva! De longe, grita “Shalom!” e sai correndo. Grande DAVI, ainda baixinho, mas gigante na esperteza... SUGESTÕES: Leiam meu conto ANO NOVO JUDAICO. Pesquisem e leiam os contos TÉVIE, O LEITEIRO e DINHEIRO DE CHANUCÁ, de SHÓLEM ALÉIKHEM. ---------------------------------------------------------------------------- NOTA DO AUTOR: SHÓLEM ALÉIKHEM - 1859/1916 - Nasceu na Ucrânia, Rússia, família rica, mas logo ficou órfão e sofreu com a madrasta toda espécie de maltratos e pragas (comum na língua ídiche - idioma popular dos judeus da Europa Oriental nos tempos em que o hebraico era apenas língua religiosa), de que escreveu um dicionário, sua primeira obra. Estudou em escola pública o russo e o hebraico, depois lecionou russo e escreveu nos dois idiomas. Mais tarde foi rabino e administrador dos bens do sogro morto. Em 1914 emigrou para os Estados Unidos, onde morreu em 1916, tendo o maior enterro judaico de Nova York. Talvez a maior figura da chamada literatura ídiche. Versátil nas atividades, conhecia todo mundo judeu e, realista divertido, misturando lágrimas (visão não puramente negativa) e risos (piada como alienação), escreveu sobre a classe média: comerciantes, soldados, estudantes, pessoas em geral. Chamado “Mark Twain Judeu”. Dizia ele: “Rir é saudável.” Rir dos outros e de si mesmo como sublimação das desgraças, conforme DEMÓCRITO, clássico grego. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2014
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 259 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Conheci/Conheço muitos DAVIS iguais a esse - ou se é esperto desde a infância ou seremos bobos a vida toda. Shalom! Parabéns!

Postado por lucia maria em 11-01-2014

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.