Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio ebook Vigilante

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


DÚVIDA...ETERNA



					    
Sábado, passando minutésimos de vinte e trinta. Precisavam conversar e resolver bobajadas de casa, rotina - compras do supermercado, qual dos dois iria ao banco na segunda-feira pagar aluguel-luz-telefones, marcar consulta para ELE no oftalmologista (horror a óculos!) etc. Aí, sem avisar a mulher, ELE já todo arrumado, estreando camisa vermelha de Ariano, enfeitado e cheirosão com água de colônia de macho, sândalo, comunicou que “um pessoal” (masculino? feminino?) agendara um torneio de boliche (“...meter os dedos nos buracos da redonda...” - ELA pensou) no shopping de outra cidade bem pertinho e tinha apenas meia hora para conversarem. E como ELE soube? Telefone? E-mail? Rede social? Não disse. Fez mistério e chamou-a ofensivo de “muito curiosa”. ELA conteve o lábio trêmulo, homem insensível não percebe nada. Tagarelaram cerca de uma hora, ou seja, contadinhos 58 minutos, sobre... literatura. ELE escreve, ELA imbecilmente e ultra dedicada (“Adoro este homem criativo e inteligentíssimo!”) fiscaliza a gramática - o cara jamais corrige as falhas, o “corrija!” /dela/ é perda de tempo. Daqui a pouco, vinte e duas horas - shopping não é madrugada a dentro. Em todo caso, beijo sensual e... “Divirta-se!” Ninguém por testemunha da hora em que ELE voltou da estrada. Outra cidade mesmo? EU, narrador, acho que não saiu do bairro. Imaginou-a louca-furiosa, sozinha, sem ELE, tristinha, chorosa. Em choque! Viu cama arrumada, não desfeita. Tremenda mosca azul sobrevoou, ‘mordeu’ a testa dele dos dois lados. “Quando a casa do vizinho está pegando fogo, a nossa está em perigo.” - HORÁCIO, poeta romano, lírico e satírico, além de filósofo. Filosofia da mulher, astuciosa Geminiana: “Fez, leva!” ELA chegou em casa depois do sol. Exausta. Roupa com cheiro de cigarro, mas... ELA não fuma... Acordada a noite toda. Estórias. ELE, incríveis pontos de interrogação nos ouvidos. Foi ver um cuco engaiolado na casa da amiga italiana (à noite? assim de repente?). Aprendeu um doce de abacaxi (palavra de duplo sentido) com calda de galhos (por que esta exata palavra?) de canela e licor de gengibre (aquele muito usado em rituais religiosos africanos?). Ah, sim, catuaba contém frutose, tranquilizante natural, porém gengibre, muito melhor. Latim: “Sementem ut feceris, ita metes” (cada um colhe conforme semeia). Um dos dois se exibiu, ficcionou, mentiu. Qual deles? NOTAS DO AUTOR: MOSCA AZUL - Ser mordido pela mosca azul, expressão usada quando a pessoa se mostra deslumbrada com o poder. Do poema de MACHADO DE ASSIS: um plebeu quer ser soberano de um vasto império, cercado de mulheres e criadagem, vencedor de batalhas... - disseca a mosca que se torna um inseto baço e asqueroso. CUCO - Nome onomatopaico que deriva do canto do pássaro macho em duas notas, que soam como “cu-cu”. Espécie parasita - em vez de construir ninho, deposita os ovos nos ninhos de aves hospedeiras que executam a tarefa de cuidar dos filhotes alheios até serem independentes. No trânsito maluco de Roma, o motorista incomodado faz para o outros, com os dedos, gesto bilateral e cornos e o xinga ‘amistosamente’ de “cuco”. GALHOS - Metaforicamente, cornos, símbolo de traição conjugal. CANELA - Afrodisíaco (sério!). Conhecida desde a Antiguidade, mencionada em Êxodo (Deus ordena a Moisés o uso de canela doce/salgada) e Provérbios (leito nupcial perfumado com mirra, aloe vera e canela), super valorizada, com ela presenteavam monarcas e altos dignatários. No início do século XVI, trazida do Ceilão, sul da Ásia, pelos comerciantes portugueses. - GENGIBRE - Afrodisíaco medicinal. Origem na Ilha de Java, Índia e China, conhecida desde a Antiguidade; levada pelas Cruzadas para a Europa e “veio” para o Brasil com as invasões holandesas no século XVII. Planta indígena silvestre, simultaneamente brasílica e asiática, especiaria usada na culinária e na medicina; tratamentos de gripe, tosse, gota, artrite, dor de cabeça e na coluna, ressaca, disfunção erétil etc. - óleo de gengibre na massagem do abdômen aquece o corpo e excita os órgão sexuais. - Chá de gengibre/canela acelera o metabolismo, por ser termogênico, e ajuda na queima de calorias, porém é abortivo. - CATUABA - Afrodisíaco medicinal para o homem e a mulher; vasodilatador, tônico, estimulante, bactericida, ansiolítico, estimulante do sistema nervoso etc. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2014
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 279 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

De fato, eu corrijo gramática, em vão (assuma!). Boa pesquisa de coisas naturais - canela, gengibre, catuaba................... Parabéns!

Postado por lucia maria em 18-04-2014

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.