Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio KD Inovações Tecnológicas

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


ELA ATRAVESSOU FRONTEIRAS...



					    
Capital Federal da República Brasiliense, final da década de 30... Se nascesse menino, o nome começaria com a letra do pai (eta, machismo besta!) - Waldyr; menina idem, Walkyria - y, k, talvez enfeitando... Passaria(-m) a vida toda explicando - “Meu nome é com w - (k - ) y...” Acontece que a tia do pai, que durante alguns anos cuidara dele garoto, estava tuberculosa e tomou um bonde. Neste, uma menina de prováveis 3 anos... falando, como se diz popularmente, até pelos cotovelos (?), multipolar, apontava em rodízio com os dois indicadores em todas as direções, pingava palavras soltas e expressões em francês, mexia com todo mundo e todo mundo mexia com ela. Cantava, dançava. Bom ou mau presságio? (Hoje, EU digo “Ótimo, muito ótimo, otimíssimo!”) A tal tia chegou em casa encantada, chorou, alegou poucos anos de vida e pediu que o nome fosse... MARLENE. Pois é! Nasceu menina. 1 - MARLENE DIETRICH (nascida Maria Magdalene Von Losch) - 1901 / 1992 - Americana de origem alemã. Cantora e atriz, a grande estrela dos anos 30 e 40. Em Hollywood, um dos maiores mitos da história do cinema mundial de todos os tempos... durante anos, símbolo de glamour, sofisticação e sedução. Famosa por suas pernas, dizia odiar a imagem criada em torno de seu nome. Sempre cultivou uma aura de mistério sobre sua carreira. 2 - O MITO NASCEU AQUI. O estrelato desta grande diva começou em 1930 atuando como LOLA, dançarina de cabaré no filme “O anjo azul”, cujo diretor austríaco, seu descobridor, JOSEF VON STERNBERG foi mais tarde seu marido - ainda em 1930, faria mais seis filmes sob a direção dele. Teve muitos amores, entre eles JOHN WAYNE, GARY COOPER, o diretor ORSON WELLES e o escritor ERNEST HEMINGWAY. Filha de um policial alemão, fez seu grande papel fora das telas como heroína: (leitores pasmem!) mais de 500 apresentações para anima r os soldados das tropas aliadas na Segunda Guerra Mundial, arriscando a vida (dizem!) na linha de frente. Sua última aparição no cinema foi em 1978, em “Apenas um gigolô”, passando a viver em Paris, num apartamento da Avenue Montaigne, onde faleceu no dia 6 de maio de 1992. O funeral foi cercado de flores, bandeiras e homenagens, mas teve também um fato pitoresco e um protesto. Um travesti se vestiu de DIETRICH, com olhares lânguidos e plantou-se em frente ao túmulo, em Berlim; uma atriz foi porta-voz de um movimento contra o enterro alegando que ELA “deu as costas ao seu país”, já que fugiu a Hitler (ainda este assunto?!) e adotou a cidadania americana. 3 - O ANJO AZUL - Produção alemã de 1929 (Der blaue engel) e produção americana de 1937. Clássico do cinema expressionista alemão, rodado simultaneamente na versão alemã e na inglesa, com financiamento da Paramont em meio milhão de dólares. Versão da novela “Professor Unrath” (1905), de HEINRICH MANN (irmão de THOMAS MANN), história da degradação de um veterano professor provinciano, IMMANUEL RATH, modelo de virtudes e disciplina, que sucumbe às tentações de LOLA, uma vulgar cantora sensual e atrevida do cabaré Anjo Azul - hoje, antológica relíquia do erotismo cinematográfico: efusão sadomasoquista e brilhante virtuosidade pictorial: celebre o número de MARLENE “Falling in love again”. Destaque-se também (é justo, muito justo, justíssimo) um momento de inspiração do ingênuo professor, cena antológica em que, no auge do desespero, ELE “bate asas” e canta como um galo rouco na alegoria da masculinidade ferida. 4 - O XIXI DO “ANJO AZUL” - Balde de prata onde ELA teria feito xixi em num intervalo do show que deu no Golden Room do Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, na década de 50. Aos 85 deste hotel, em 2008, palestras sobra a história da casa e exposição interna - somente para funcionários - de certos ícones, como este balde, álbum de assinaturas e fotos de hóspedes e visitantes famosos, roleta e material de jogo do cassino e até o trenzinho elétrico de um filho do antigo proprietário. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2014
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 119 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Mito é mito! Até balde de prata (que luxo) usado como vaso sanitário vira objeto de desejo... Bom, hotel com 85 anos tem mesmo essas coleções. Boa pesquisa. Parabéns!

Postado por lucia maria em 18-08-2014

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.