Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio ebook Vigilante

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


A HISTÓRIA DA ESTÓRIA



					    
“ERA UMA VEZ.........” O escritor paulista MÁRIO DE ANDRADE dizia, ‘molecamente’, que “CONTO é tudo aquilo que o autor deseja que seja”. Contos populares, literatura oral das populações européias, origem dos CONTOS DE FADA, não deixam de ser documentos históricos, retratos de uma época: desde o século XVII, tempo de Charles Perrault, depois século XVIII, tempo dos Irmãos Grimm, e lá veio a Revolução Francesa, a grande libertação humanística... Assim, como pesquisei, realidade nua e crua, a vida na aldeia era luta brutal pela sobrevivência das pessoas, tentativa de “subir” da linha de indigente para a... de pobre. Drama alternativo entre fixar-se no campo ou se chamar Viramundo, mesmo sem ser cigano. Havia os privilegiados, os artesãos, as trupes de atores ambulantes e saltimbancos (filme sueco SÉTIMO SELO, direção e roteiro de Ingmar Bergman, 1956) e os desesperados andarilhos, catadores de comida na estrada... Atingir a idade adulta e a maturidade era quase utopia, especialmente a mulher parideira, daí a proliferação das madrastas, segunda mulher do pai, relação já difícil entre os filhos do casal inicial, piorissimamente entre estes e um novo irmão, mais uma boca esperando alimento... Uma só cama na casa, um máximo de duas, dormiam amontoados, animais domésticos peludos servindo para aquecer pessoas, nenhuma noção de higiene, precoce a prática sexual, assim como o trabalho bruto e interminável para todos. Comum a subnutrição e o abandono dos filhos ao ‘deus-dará, será que o Altíssimo dava mesmo? JOÃO E MARIA e muitos outros contos. Sem infância ou adolescência, sem fadas, sem encantamento, sem poesia. Por que no caso eventual de varinha de condão ou anel mágico, primeira idéia é pedir comida. E dizer que ontem almocei peixe assado com molho farto de camarões e purê de batata batido com creme de leite fresquinho da fazenda......... Reclamei no restaurante, pouco sal, refrigerante pouco gelado - não dei gorjeta. NOTA DO LEITOR: Nessa temática, leiam meu conto aqui publicado: A (TAMBÉM) AFILHADA DE SANTO ANTÔNIO. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2014
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 112 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Mão fechada, pretexto para não gorjeta... De fato, toda estória nos conta a história. Adoro meu narrador especial. Parabéns!

Postado por lucia maria em 01-11-2014

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.