Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio BAC

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


COMIDA DE CARIOCA



					    
Qual o prato, nas casas e nos restaurantes do Rio, que tem a cara da cidade? Bom, como prato do dia a dia, ótima a modesta mistura do feijão preto (jamais sem carne seca, toucinho e paio) com o arroz, complementados com bife e batata frita... Entretanto, numa reunião ou festejo maior, necessário um prato ecumênico, nada como o casamento de ‘Phaseolus vulgaris’ com ‘Oryza sativa’ que o Deus da Mesa uniu e ninguém pode separar... Como dizia o brasileiríssimo Heitor Vila-Lobos, nascido carioca, “FEIJOADA, maravilha negra”, talvez carro-chefe até mesmo da cozinha nacional. Feijão preto, uma montoeira de salgados (há cerca de 15 tipos diferentes – carne seca, lombo-costela-garganta-orelha-rabo-pé de porco, bucho, pele da barriga, toucinho, paio, lingüiça-língua defumadas, carne de peito etc.), no mínimo 7, homenagem ao orixá Ogum, rei dos caminhos, caldo bem encorpado, e também arroz branco, farofa, couve bem picada e refogada, laranja aos pedaços... e a tradicional caipirinha que sempre acompanha este prato salgado. Lenda ou não, se é verdade que matavam porco para a casa grande e as partes menos nobres, desprezadas pela sinhá-dona, iam para a senzala, bendito feijão dos escravos! Versão outra é que seria de inspiração européia, como o cassoulet francês e os cozidos portugueses, nestas panelas muito menos fartura de carnes. Ponto de encontro, sejam restaurantes, bares ou botequins, oferecem variedades além da clássica feijoada /em moda, miniporções num copo plástico/ - moqueca sem dendê, caldeirada de peixe com frutos do mar, mocotó com grão-de-bico, rabada com agrião e polenta, sopa de ervilha, risotos variados, abóbora com carne seca, iscas de filé ou fígado, frango a passarinho......... quitutes e salgadinhos típicos, como empadinhas (de camarão, frango, atum, carne seca), pastel frito na hora, acarajé baiano, ah, e o tentador bolinho de bacalhau com uma azeitona! Visitantes de outro Estado e a estrangeirada comem de montão. Teve a Jornada da Juventude, a Copa do Mundo e num futuro não muito distante virão as Olimpíadas... Quanto a doces......... Hummm... Sobremesa simples é romeu-e-julieta, goiabada com queijo branco. Não sabemos se pelo acesso fácil ao açúcar de cana em tempos do Brasil-Colônia, mas desde o século XVI há uma incrível doçaria que – diz a “História dos Fogões” – seriam feitos por freiras, ‘doces santos’ dos conventos e dos mosteiros, verdadeiros templos da gulodice portuguesa, que acabamos herdando (o açúcar foi... e voltou), geralmente com muitos ovos ou só as gemas, daí os nomes religiosos, como manjar do céu, toucinho do céu, barriga de freira, pastel de santa clara, pastel de nata ou de belém, papo de anjo, mãe benta... Brasileiros mesmo, o quindim (com sobrenome!) ‘de Iaiá’... mistura do português e do africano, e pudim de aipim/mandioca, do nosso índio. Um tanto americanizado de origem, pelo ingrediente principal, o indispensável brigadeiro que se ‘naturalizou’ carioca e as empadinhas doces, com recheio de coco ou goiabada. Bom apetite! NOTA DO AUTOR: FEIJÃO – Leguminosa da família das Papilionáceas, cultivada pelos índios ao lado do milho, da mandioca, do amendoim e do fumo – na Europa, só chegou por volta de 1540, hoje cultivado em todo o mundo. FONTE: “A história ilustrada dos doces” – “Comunidades conquistam pelo estômago” – Jornal O GLOBO, Rio, 2/10/10 e 18/1/14. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2014
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 144 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Ah, não é a pobre feijoada paulista de 3 pobres 'salgadinhos'... Eu o convido para uma feijoada carioca legítima. Num outro dia, confeitarias centenárias de doces portugueses. Parabéns!

Postado por lucia maria em 15-11-2014

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.