Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio KD Inovações Tecnológicas

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


DECADÊNCIA



					    
Proprietário rico de “MR-MRS. DRESS & SHOES”, muitas lojas espalhadas pelo Brasil. Viajantes, o casal, pelo mundo inteiro. Em casa, falta de ar, bronquite ficara lá na infância remota, talvez apenas estresse, nebulizador comprado às pressas, descansou algumas horas, numa segunda vez a máscara caiu a uma certa distância do sofá e não teve forças para levantar e pegar no chão. Hospital granfino imediatamente, muitos paparicos, gentil cadeira de rodas desde a portaria. Carrão ficou na garagem do nosocô ; ;mio, sob corrente e cadeado. Exames constataram uma bactéria rara, de doença raríssima... de um país remoto na Oceania... algo cruel relacionado a um pistilo amarelo de exótica rosácea azul... visitado por muitos insetos. (Como a medicina sabia isto?) Ou testes de radioatividade desde a década de 40? (Não era segredo militar?)& nbsp; Cura quase impossível. Vídeo conferência. Mulher /conta conjunta/ pagou passagens, vieram dois médicos do States. Na febre, o doentinho sonhava com tubarões marítimos de jaleco branco. Pode ser. Ora, fama mundialíssim a na OM S para quem o curasse. Altamente paparicado, ar condicionado no quarto, televisãozinha, assistência clínica 24 horas por dia, maioria das enfermeiras era loura, todos eficientíssimos. Ele de máscara (pediu pano azul), toda a equipe usando luvas plásticas esterilizadas. Primeiro doutor – o único que lhe pareceu sincero e desinteressado – aparecia às seis da manhã, conversavam sobre MACHADO DE ASSIS, os outros vindo no decorrer do dia, todos com ares de farta fe-li-ci-da-de e a conversa era sobre bolsa de va lores... Muita medicação endovenosa e comprimidos até perto de meia- noite. Seis refeições por dia – café da manhã com torradas e geleia, colação, almoço gostoso e variado (cardápio à disposição dele), lanche, jantar e ceia – muita gelatina. (Por quê?) Assustou-se quando foram surgindo um padre, um pastor, uma budista (mulher, sim, manto amarelo, pelada, incenso de sândalo), um rabino e um pai-de-santo. “Hospital laico – explicaram –, meros visitantes sem compromisso.” Ganhou muitos folhetos controversos, mas não contestou ninguém. Novos exames e a colônia de bactérias diminuíra bastante. Os médicos estrangeiros foram embora, regiamente gratificados, mas decepcionados Febre ficou mais leve: agora sereias, estetoscópio ao pescoço. Médico fiel apenas o do início do dia, os outros se desinteressando. “Estou ocupado!” Perto da cura. Milagre? Não, no desespero mulher trouxe a ‘novidade’ escondida numa garrafa térmica – descobrira via Internet: chá importado da casca de certa batata doce oriental (antioxidante, 100% de fibra e potássio) fervido com pó de rabo de lagartixa (isto ele não soube!) e uma ametista verdadeira (usou o anel do noivado, pedra da sabedoria e do equilíbrio): “Ou vai ou racha!” O sorriso das enfermeiras diminuiu – quase não apareciam com a medicação, agora largada na mesinha do quarto. Sentia-se forte física e emocionalmente. Resolveu fugir. Soube que a mulher levara o carro para casa – benéfica verdade! Roupa dele “sumira”, teria que sair com o pijama do hospital que nos últim os dias passar a de seda fina a algodão grosseiríssimo, tamanho grandalhão. Os sapatos italianos dele também “desapareceram”, trocados no pequeno armário por um calçado chapliniano – bota curta muito velha e amassada. Calçou assim mesmo, num andar bamboleante de pé menor. Táxis não pararam. Tostão nenhum... e nem sabia que ônibus tomar. Pensamento consolador: “Andar faz bem ao corpo.” Plágio de CARLITOS: seguido apenas por um cão vira-lata, aspecto de leproso. Ao longe, no calorão de janeiro, a imagem do sol no céu azulíssimo de finalmente paz. NOTA DO AUTOR: “Mais do que máquinas precisamos de humanidade. Mais do que inteligência precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes a vida será de violência e tudo estará perdido.” – CHARLES SPENCER CHAPLIN (1889/1977). F I M
Copyright ATHINGANOI © 2016
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 103 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Pois é, queriam sucesso internacional às custas da doença dele e um remedinho vagabundo acabou com a ambição geral. Parabéns!

Postado por lucia maria em 17-04-2016

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.