Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio Autores & Leitores

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


INCÊNDIO? ONDE? PIADA...



					    
Aquele emprego estava muito chato. Qualidade única ser no centro da cidade. Muitas mulheres juntas. Cada andar era um determinado setor de vendas. Quarto andar, te-ci-dos. Ela bem avisou: “Não sei fazer embrulhos moles...” - mas vaga somente nas seções de pacotes com papel. Caía tudo no chão. Apenas acertava ao embrulhar caixas de tecidos mais caros - cetins-brocados-rendas para vestido de noiva ou baile de formatura de escola normal e faculdade... Tempo ingênuo até para conclusão de marcenaria, datilografia, corte e costura ou manicure: missa, bolo, baileco no clube noturno. Muitas jovenzinhas, muitos rapazelhos imberbes, e a linguagem (ridícula!) era chamarem-se ‘senhor’, ‘senhora’... garotas de 14, 15 anos - nunca “você” ou pelo nome próprio. (DRUMMOND diria: “Eta loja besta, meu Deus.”) Quem disse que ela obedecia? Driblava, teoricamente discursava, omitia palavras que considerava imbecis. Penúltimo dia do ano, acabara a cansativa agitação natalina. Foi para o banheiro, cuspiu um mínimo da comida da marmita (purê de batatas, coxas de frango: delícia!) em várias direções, alegou molho muito gorduroso e simulou enjoo súbito; ela artisticamente passando assim “tão mal” que teve colega portadora para ir lá em cima, na gerência geral (chefão ‘quase’ idoso, um tanto sósia do Orson Welles e do charutão do Churchill, gesto casual do V da Vitória, em horas e situações tão inoportunas que não devia saber o significado: num lugar tão grande, nenhum diálogo possível porque só ela /tadinha!/ “conhecia” essa gente...) pegar papel de dispensa. Em casa, dormiu até o inicio da noite......... Ainda aguentou algum tempinho - quando enjoou de vez, pediu demissão. Demorou meses, descansou bastante (de quê?). agora emprego relativamente perto de casa. Ela tem sorte, a danada! Máquina de escrever propositalmente enferrujada para ninguém passar no teste (sem entender, tá?) para função mais elevada e serem encaminhados para locais de salários mais baixos. “Seguir este corredor até o fundo e apresentar-se ao chefe.” Corpo abrutalhado, cara amarrada, depois informaram ‘ex-policial’. Brincou - só a aceitaria se conhecesse alguém no enorme salão. Primeiro andar, “revisão”. Sim, colega-vizinho, todos sentavam em dupla, rapaz ensinou o serviço, códigos no ato de corrigir a caneta os textos linotipados, “oficina” era no térreo - três modelos de grossas listas telefônicas do Brasilzão todo: assinantes, endereços e classificados. Amor a letras, anúncios ilustrados ‘do-Oiapoque-ao-Chuí’ (abrangência nacional, diversidade cultural), correspondia-se desde garota com gente desconhecida de vários estados... - adorou! Foi instruída para trazer todo dia na bolsa - ainda não tempo de mochila - uma caneca com asa /copo de vidro, não!/ por causa da quentura (não havia armário para guardar) e colocar logo cedo na ponta da mesa de trabalho - um rapaz passava duas vezes ao dia com um carrinho e distribuía café adoçado... grátis... Bom ambiente, pessoas mais ‘sabidas’ que no mínimo conheciam indiretamente o Brasil. Certo dia, uma alongada campainha. Todas as pessoas se levantaram tranquilas, mulheres pegaram as bolsas e formaram uma fila. Deu uma de macaquinha de imitação e procedeu igual, ninguém falou, ninguém agitado, ela não perguntou nada, a fila andando para os fundos do salão, começaram a descer a escada. Mas ela nem chegara a tomar o café matinal - imperdoável desperdício! Voltou à mesa de trabalho, tomou o café agora morno. Logo, o pessoal da frente do corredor foi aparecendo, gente das máquinas de escrever, na maior suavidade. Ela retornou em passos rápidos e ficou sendo a última pessoa na fila dos revisores. Desceram a tal escada com muita naturalidade, sem que a moça entendesse coisa alguma. A gráfica era famosa e um diretor da companhia telefônica estava para vir de visita “um dia”, sem data específica. Iriam recepcioná-lo na calçada? A gráfica inteira? Muita gente......... Nisto, sirene do corpo de bombeiros. Soube depois: todos tinham sido treinados para saírem ordenadamente, sem pânico ou precipitação, atropelo, estas ansiedades, em caso de “sinistro” (não usavam a apavorante palavra “incêndio). Mini sinistro naquela manhã, caldeirão caído, chumbo derretido. Nunca se deixa derrotar, bancar burrinha jamais, fez um ar ‘blasé’ (sempre gostou desta palavra) e foi cética e indiferente para casa........ perto dali. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2017
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 54 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Estória real que há anos escuto em casa - você não, não viveu, descreveu igualzinho. Parabéns!

Postado por lucia maria em 01-07-2017

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.