Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio ebook Vigilante

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


HQ, QUE DELÍCIA!-PARTE II



					    
“RECRUTA ZERO”, originalmente “Beetle Bailey”, surgiu em setembro de 1950, através do desenhista Mort Walker, a princípio um estudante, à paisana, em pouco tempos olhos encobertos pelo chapéu; após a Guerra da Coreia, diversos colegas foram lutar, franco nacionalismo, o vagabundo trocou o campus universitário pelas trincheiras, virou recruta, um “SRs”, soldado raso ou zero, subalterno infeliz, mas sob um lema pessoal: “Nunca deixe para amanhã o que você pode fazer depois de amanhã” - belas encrencas, sempre! Tira publicada durante anos na Stars and Stripes, revista oficial do exército norte-americano - irrevogavelmente banida, saiu da Army e foi para mais de 100 jornais, que criticaram a expulsão, “militares não têm senso de humor, que é sinal de maturidade e inteligência, personalidade com capacidade de rir de si mesma”. No quartel Camp Swampy, Zero tem como companheiros o Sargento Tainha, oficial mal humorado e de pavio curto, e soldados trapalhões, como Quindim, Dentinho, Platão e Cosme, além do Tenente Escovinha e do General Dureza. 1--2 quadrinhos -- Sargento - “Onde está o Zero?” Soldado, picareta não mão, cavando terra - “Ele voltou para o alojamento! Esqueceu uma coisa!” Sargento encontra o boa-vida - “O que você esqueceu, Zero!” Zero, apontando a boca, cínico e debochado - “De escovar os dentes!” // 2--3 quadrinhos -- Zero - “Um passe para ir à cidade!” Sargento - “Motivo?” Zero - “Para ver alguma civilização! Encontrar umas garotas! Recuperar minha sanidade!” Sargento - “Um motivo melhor!” Zero - “Ficar longe de você algumas poucas horas!” Sargento - “Concedido!” Em fração de segundo, onomatopeia PLAM - documento carimbado num quase soco no papel. // 3--3 quadrinhos --- General quase idoso chega de olho roxo - “Briga com a minha mulher!” Major maduro - “General! Não deveria deixar ela fazer isso!” General pendurando quepe na parede - “Não deixei! Meu jogo de corpo e esquivadas de cabeça não são mais como antigamente!” // 4--3 quadrinhos --- Soldado cabelo Black Power - “Bem, o que acha, major?” Major examinando papel - “Há uma boa possibilidade de receber uma resposta afirmativa... Entretanto, há possibilidades negativas...” Soldado - “Por que ninguém no exército não diz simplesmente sim ou não?” Major - “Isso é o sim do exército!” - - - - - “URBANO, o aposentado”, tira criada por Antônio Silvério, começou a aparecer em O GLOBO em setembro de 1986, classificada num concurso do jornal: aventuras de um aposentado gordo e bonachão e os amigos que o rodeiam, como a serviçal Maria, a amiga Dona Marlene, o hipocondríaco Almeida, o conquistador Valentim, o avô Fonseca e o neto Armandinho, e quem mais apareça. 1--2 quadrinhos --- Homem barbudo fugindo em correria, mulher ‘estátua viva’ idem explica -“O seu Urbano está lendo um discurso de início de primavera.” Dona Marlene e um vendedor ambulante chegando, Urbano com papéis - “...as flores...” // 2--3 quadrinhos --- Ele sentado na poltrona, pensando - “Tédio...” Onomatopeias CLEC! CLEC! CLEC! Maria, eterna vassoura na mão - “A árvore de Natal deve ser desmontada no dia 6 de janeiro, seu Urbano!” Ele - “Amanhã, montarei novamente!” // 3-3 quadrinhos --- Rapazinho chega mexendo no celular, provável game. Fonseca sorridente para o neto - “Que bom te encontrar, Armandinho! Tudo bem com você?” Jovenzinho resmunga - “Humm... mmm...” Fonseca para Urbano - “Adoro conversar com o meu neto.” Urbano fecha os olhos. // 4-3 quadrinhos --- Marlene cheirando plantinha roxa - “Hummm... Lavanda!” Ela, ante troncos de árvores longas - “Eucalipto!” Ela e Urbano, vida real, ante a prateleira de desinfetantes (aprendeu imaginação com ele?) - “Adoro passar o tempo nesta seção do supermercado...” - - - - - Aos 35, já era “velho” para recrutagem da farda verde......... Como eu, RUBEMAR, ex-profissional super extra hiper, cansadinho e tedioso, serei aos 65 anos??? LEIAM meus trabalhos “Aposentados...” e “Aposentados... - PARTE II”. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2017
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 44 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Desde já resmungão e implicante, aos 65 vai ser um horror. Farei aulas digitadas - "como tratar de bem longe um marido ideal". Parabéns!

Postado por lucia maria em 01-07-2017

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.