Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio BAC

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


CANÇÃO DO EXÍLIO...e outra CANÇÃO, de GONÇALVES DIAS



					    
Romantismo, primeira geração. 1--- "Primeiros cantos" - escreveu em Lisboa, este poema em julho de 1843, impressos em 1847 “Minha terra tem (...) Onde canta o sabiá.” --- Poeta se dizia portador no sangue das 3 raças ‘tristes’, formadoras da nação brasileira: indígena, portuguesa e negra. Em 1840, matrícula em Direito pela Universidade de Coimbra, sem concluir o curso. --- No longo poema de muita nostalgia, nenhum adjetivo, ausência compensada com a hipérbole, exagero deliberado, mostrada no advérbio de intensidade: ‘mais estrelas, mais flores, mais vida, mais amores’. Muita força emocional na sonoridade e muito ritmo musical, magia da permanência do poema ao longo dos anos - paralelismo, rimas de fonemas iniciais, segura escolha das palavras-temas: (substantivos) terra- sabiá-palmeiras, (advérbios) lá-cá... --- Dois primeiros versos, refrão: “Minha terra tem palmeiras / Onde canta o sabiá.” - elementos básicos: eu (‘minha’), palmeiras e sabiá, em relação com a terra; dupla leitura em palmeiras-sabiá: dados da realidade nacional (fonte de inspiração, matéria prima da poesia) + visão naturalista-regionalista-saudosista do poeta sobre essa realidade. --- Palmeira, muito freqüente na paisagem nordestina, passa a simbolizar o país - na língua indígena, Pindorama, visão nativa e não colonial da “região ou terra das palmeiras”. Alteração na paisagem nacional, Sabiá cantador? Invenção poética.. . Não, tal ave não canta na palmeira... Toda criação se segue à seleção e combinação dos dados da realidade - no poema estudado, nacionalismo + indianismo + lirismo sentimental de GONÇALVES DIAS. O sabiá de canto triste (nunca ouvi, nunca fui ao Maranhão) já aparecia em poesias indígenas /em verdade, sua origem pelo lado materno, hoje chamamos de DNA/, uirachuê, agora personificando analogia com a saudade no poeta “longe de casa”. --- O eu-lírico, exilado, polariza a comparação entre Portugal “cá” e a terra distante “lá” - o romântico idealiza sempre o lugar onde não está (evasão)... mesmo sem qualidades reais. Aqui (onde?) é sempre ruim! --- Parte do poema figura na letra do Hino Nacional Brasileiro e na Canção do Expedicionário, hino da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na II GM. --- Popularidade máxima - texto descomplicado, linguagem simples e de memorização fácil, roubado em reescrituras e parodias em diversas épocas. --- Mais tarde, MURILO MENDES também exilado dentro do próprio Brasil (mesmo título “Canção do exílio”): “Eu morro sufocado / em terra estrangeira”, país fortemente marcado por influências estrangeiras. 2---“Segundos cantos e Sextilhas de Santo Antão”, coletânea de temática portuguesa, onde só um poema é ‘americano’ - impressa em 1848 Como todo poeta do Romantismo, variação temática e formal - muita forte religiosidade, em tom solene: não devoção convencional, mas sim percepção da divindade na natureza, vista como um prolongamento do “eu” do poeta; logo, sentimento panteísta. --- “Tenho uma harpa religiosa, (...) O grande alaúde aos meus!” --- Dictamino - planta aromática, como bálsamos pelos antigos. --- Algumas imagens importantes para compreensão da obra poética do autor: --- 8 estrofes, agrupadas graficamente aos pares - estrofes 1-3-5=7 à margem, 2-4-6-8 um pouco afastadas - decassílabo, redondilhas maiores /raiz popular medieval/, rimas não muito rígidas. --- Primeiro grupo de estrofes (1-2) refere-se à harpa religiosa, rimas ABAB; segundo (3-4), ao alaúde, rimas ABAB; terceiro (5-6), à lira, com rimas alteradas ABBA- ABBA; quarto (7-8), faz a síntese das anteriores, rimas alteradas ABAB-ABBA: grande melodia e ritmo marcado. --- Eu-lírico tem 3 instrumentos para o canto: harpa recebida diretamente de Deus (instrumento dos anjos), de madeira do Líbano, um alaúde, tocado pelos trovadores medievais, e uma lira com flores dedicada ao canto amoroso; ao final do poema, divisão entre os cantos religiosos, o amor e as questões sociais. --- Alaúde /tocador, presença obrigatória na corte e na feiras populares/ remete a trovadores medievais, tradição lírica da língua portuguesa - ele mesmo escreveu “Sextilhas de frei Antão”, em forma arcaica, adaptando a tradição ao nacionalismo literário, cantou o índio e a paisagem brasileiros. --- Que se saiba, ele não pretendia ser menestrel. 3---Sobre ele: Além do indianismo, tema relevante em toda a sua obra, cultivou também a poesia lírico-amorosa (temas consagrados pelo Romantismo: supervalorização do amor, cultivo da solidão, saudade, tristeza, melancolia, não racionalizar os sentimentos, mas soltar a emoção, porém ele sem excesso de sentimentalismo), textos teatrais, e escreveu um Dicionário da língua tupi, impresso em 1857. No poema de tema africano, “A escrava” é tomada de saudade do Congo, sua terra natal. --- Patrono da cadeira n. 15 da ABL. LEIAM meus trabalhos “O sabiá do poeta” - I-II-III-Final. FONTE: Um velho caderno universitário, por certo tendo fonte na pesquisa-união de diversos livros. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2017
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 46 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Lindo, lindo, lindo poema! Fácil de memorizar e amar. Bom trabalho. Parabéns!

Postado por lucia maria em 15-07-2017

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.