Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio BAC

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


CALENDÁRIO MOTO-CONTÍNUO-PARTE II



					    
TEMPO. Em verdade, o tempo é infinito. Contudo, às vezes é necessário “dar um tempo” (de quanto tempo?), intervalo na relação amorosa. Conheci um que, embora com bom ordenado, reclamava das despesas, mulher sem limite nas compras supérfluas (falso pretexto); muitos gastos que estava difícil sustentar!......... Pediu “um tempo”, saiu de casa, teve aventuras, assustou-se (“Ah, motel muito caro!”), foi o tempo da mulher gerar três filhos sem a colaboração dele, que acabou voltando para casa e depois paa despesas agora bem maiores. Ficasse longe apenas assim uns sete meses, já estaria bom, e ao retorno era ainda apenas o casal. Houve época em que nas repartições públicas pediam “um tempo” ao visitante, ‘funcionário deixou o paletó nas costas as cadeira... deve ter saído para um cafezinho... daqui a pouco ele volta’... Não voltava! Paletó já coberto de pó e teias de aranha. A propósito e em verdade, ninguém trabalha seguidamente concentrado oito horas consecutivas e o tal do cafezinho ainda serve de paliativo. Avivar a saúde mental? Também pessoas que “dão um tempo” no trabalho... Modernamente, ora é o celular que toca de repente... ora uma corridazinha ao banheiro para (nenhuma súbita necessidade fisiológica) o cigaro ou a rede social, checar as mensagens eletrônicas. E parem as máquinas! Nem sempre “pausa que refresca” (onde li isto?!) porque em verdade não relaxou e sim reativou problemas, assuntos familiares ou emocionais. E voltem as máquinas!!! Desde que não abusem, um instantinho ao telefone de bolso ou Internet pode ser saudável descontração do ambiente. Questão de uso constante e bom senso! Joãozinho, herói na maioria das piada, sem a menor “noção de tempo” - convidado para uma festa de 15 anos, agradeceu o convite e esclareceu que só poderia ficar... durante o fim de semana. “Ea minha escola?” Minha AMIGA não “dribla o tempo”, não corre contra... ELA é multipolar atemporal. O que é isto?! Aquela pessoa que - sem ser exatamente dinâmica - inicia um monte de atividades e não termina nenhuma porque......... “não deu tempo”. --- No dicionário, “sincronicidade - qualidade do que é sincrônico, simultâneo”. Não é como li numa revista de domingo sobre a ‘corrida do tempo’ - três programações no tempo simultâneo, a solução é não comparecer a duas... É que minha AMIGA é atrapalhada mesmo! Pensa, digita, pensa, varre, pensa (ou não pensa), descasca legumes ou frutas, morde três biscoitos, liga o chuveiro,mentaliza lista de compras ou datas históricas, entra e sai do chat, come um quindim, rega folhagens, rascunha um recado, liga o liquidificador, abre uma garrafa, rasga o recado, usa pano de limpeza, digita novamente (sendo para mim, sem modéstia alguma, é imenso “ganho de tempo” / assumo ser convencido ou inconveniente?), liga a máquina de lavar roupa,telefone toca (o outro lado até desiste)......... o dia termina e as atividades múltiplas não. Ainda não senti na pele o que os idosos pensam do t e m p o, mas provavelmente medo (que tempo ainda lhes resta?) que sejam, a cada novo dia, um estorvo 24 horas mais pesado no tempo dos familiares e amigos mais moços. Fase da ‘gerontolescência’ que em todo caso é para quem pode gozar a experiência, a qualidade de uma vida saudável, extinto o tempo do trabalho - preencher a lacuna com atividades culturais ou recreativas, nunca novamente laboriosas, após compulsória aposentadoria aos 70 anos. Agora, independência, autonomia, emancipação, disposição, tempo livre de compromissos, direitos sem deveres - enfim, praticar higiene mental... Por enquanto, sou ainda um ‘garoto’ pesquisador gerontólogo, o lado curioso, filosófico e meramente observador da questão. A propósito, sem sair do tema proposto, importante saber: quanto tempo se leva para preencher e assinar um cheque? Estou sem tempo algum para pagar o excelente serviço da minha personal secretária...... Ou então virtuais bombons de cereja ao licor e orquídea lilás? Sem tempo de sobrevoar a muralha geofísica e entregar em mãos. HQ - A CABEÇA É A ILHA, de André Dahmer - Caravela antiga, mar revolto. Ele, a um invasor de capacete transparente, roupa de astronauta: “Quem é você, intruso? Como ousa entrar no barco de Cristóvão Colombo?” O invasor, arma na mão: “Como ousa descobrir a América?” Onomatopeia BUM! O viajante do tempo que consertava o passado. LEIAM meus trabalhos “Aposentados - I. II e III. FONTES (para inspiração): “A tal correria dos dias”, artigo de MARTHA MEDEIROS - Rio, revista O GLOBO, 21/9/14 // “Eles são os donos do próprio tempo” e “Boa chance: Dando um tempo” - Rio, jornal O GLOBO, 26/10/14. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2017
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 23 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Nunca perderei tempo na contemplação devota a quem merece. Família acontece; amigos é ganhar tempo e criar eternas recordações. (Cadê o seu/meu cheque ou a minha orquídea enganatória?) Parabéns!

Postado por lucia maria em 02-09-2017

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.