Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio ebook Vigilante

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Avaliação de trabalho publicado

Caro leitor,

Este trabalho encontra-se em avaliação pelo público. Ao acabar de lê-lo, você está convidado para registrar a sua impressão.

Desta forma, você estará dando uma importante contribuição para incentivar o autor deste trabalho a aprimorar sua capacidade e também a continuar escrevendo, cada vez mais e melhor!

Bons Textos!

> Ler outro conto <   < Ler crônicas >


< Ler outro trabalho de ATHINGANOI >


< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


APÓS CONCRETISMO...PARTE II



					    
I---Tendências poéticas que se seguiram ao CONCRETISMO:  Em 1960, surge o grupo INVENÇÃO, estando na nova tendência o poeta MÁRIO CHAMIE que será mais tarde o responsável pela criação do POEMA-PRÁXIS. Lançada em 1962,  5 números de “Invenção”,  revista de arte de vanguarda, ano 6, dez./66 até jan.67. ----- De uma ruptura, surge a POESIA-PRÁXIS, sistematizada principalmente por MÁRIO CHAMIE, também explorando a materialidade da palavra e sua disposição sobre o espaço do papel.  Expressão sintética-exata-objetiva;  sintaxe analógica ideogrâmica;  tomada de consciência de um projeto semântico.-----  Novas cisões e rupturas, literaturas neo concretas sempre superadas a qualquer momento:  em oposição à palavra-coisa do CONCRETISMO, agora o poema-PRÁXIS como  objeto estático-fechado e sim  palavra-energia,  produto dinâmico, possível de transformação pela interferência ou manipulação do leitor. “Trabalho completo na leitura, ponte entre criador e leitor” - MC.  ----- “Manifesto didático da poesia  práxis” em 1961;  experiências e manifestos em “Práxis- revista de instauração criativa”, 1962, e “Instauração Práxis”, 1974 (textos entre 1959 e 1974), sempre autor CHAMIE. - - - - - II---Poema “Plantio”, de MÁRIO CHAMIE - “Cava, / então descansa. / Enxada: fio de corte corre o braço / de cima (...) e morre:  rês, rés de fome / Cava.” 1-Roteiro de análise do próprio autor - partindo do espaço em preto e branco, conjunto de palavras constitui o corpo do poema - palavras dispostas nos versos em desenho não arbitrário. ----- 2-Vocábulos mobilizadores, todos dissílabos paroxítonos - cava-cova-joga-calca-molha-troca. ----- 3-Tonicidade, tratamento fonético - vogais orais a, e, o. ----- 4-Disposição geométrica dos versos, tratamento fonético  e rítmico dos vocábulos. ----- 5-Momentos da atividade agrícola do lavrador na ordem lógica - relacionamentos: (1)cavar a terra - (2)semear - (3)cobrir a semente - (4)regar as plantas - (5)vender a safra ----- ( 3 )calca - ( 5 )troca - ( 4 )molha - ( 1 )cava - ( 2 )joga ------ 6-Duas denúncias no final do poema - logro do lavrador que não vê compensado seu trabalho de tanto sacrifício (ao sol e à chuva);  fome que vitima o homem - versos 25 a 29;  versos 30 a 36. - - - - - III---Outros poemas-práxis: “Agiotagem”, “Força na forca” e “Rural”, de MÁRIO CHAMIE --- “Jeremias-sem- chorar”, de CASSIANO RCARD --- “Rosa rosa rosa”, de YONE GIANETTI FONSECA --- “Telefone”, de ANTÔNIO CARLOS CABRAL --- “Crime 3”, de MAURO GAMA. - - - - - IV---Também em MANUEL BANDEIRA tentativas de aproveitamento do espaço, prenúncio de poesia espacial.  Poema “Pensão familiar” (fragmento), 1925.                                     Os girassóis                                               amarelo!                                                          resistem. A exclamação “amarelo!” (jogada no espaço do papel) quebra a sequência gramatical e ganha enorme força psicológica;  constatação espontânea, interjectiva, um grito.   Há outras experiências desse tipo em BANDEIRA, clima que o poeta irá encontrar na poesia concreta: 1-“Rosa tumultuada” - corte do texto em diagonal.  2-“Azulejo” - quebra do padrão tradicional de leitura:  10 palavras dispostas em blocos de 2 a2 que se inter-relacionam (interação na construção lingüística) poesia concreta mais para ser vista (poema dentro de moldura retangular, como verdadeiro azulejo) que interpretada - palavra é som, forma visual, carga semântica.  3-“Verde negro”, no livro “Estrela da vida inteira” - série de associações estruturadas -  “dever” se associa a “de ver”, desmembrados os caracteres morfo-sintáticos-semânticos-fonológicos - formas “ver de noite” e “verde noite, leitura se abre no aparente movimento do mesmo sintagma “verde” - dupla função de “ver de dia” - mínimo múltiplo comum da linguagem é a tendência à substantivação e não à verbificação. F  I  M  
Copyright ATHINGANOI © 2017
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 13 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

O QUE VOCÊ ACHOU DESTE TRABALHO?

EXCEPCIONAL    MUITO BOM    REGULAR    FRACO    MUITO FRACO    
SUA AVALIAÇÃO É SECRETA E AJUDA A ELEGER OS MELHORES TRABALHOS

Comentários dos leitores

Autores sempre maravilhos e Bandeirão como precursor. Você também é poeta? Parabéns!

Postado por lucia maria em 25-11-2017

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.


> Ler outro conto <   < Ler crônicas >


< Ler outro trabalho de ATHINGANOI >




AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.