Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio ebook Vigilante

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


LIMABARRETEANDO...



					    
Homenageado na Festa Literária de Paraty/ RJ - 1917. RIO DE JANEIRO - Carioca do bairro de Laranjeiras, viveu entre os subúrbios e os cafés do Centro da cidade. Forte discriminação racial sobre ele. Viveu 41 anos. 1---SÃO PAULO - Relação conturbada com alguns intelectuais paulistas. A--MONTEIRO LOBATO - Único editor que lhe pagou um adiantamento para publicar um romance. Intensa correspondência entre 1918 e 1922, embora jamais conhecimento pessoal; conversavam sobre LIMA (já vivendo seu drama), colaborador em "A Revista do Brasil", editada por LOBATO, negociações sobre lançamento do romance "Vida e morte de M. J. Gozaga de Sá" (saiu pela primeira vez em 1955) e comentários sobre a literatura da época. ----- Assimetria: um, amanoense aposentado dos subúrbios X outro, emergente capitalista das letras, na visão futurista de que, mais tarde, principalmente nos iivros de LIMA e em alguns de MACHADO DE ASSIS brasileiros sentiriam o Rio e suas mazelas, do superior salão a inferior Sapucaya (coleta de lixo). ----- No livro atual sobre as cartas, o paulista abre o bate-papo: "Ninho de medalhões e pérolas, a revista clama por gente interessante (...) LIMA BARRETO (...) segredo de bem viver e melhor dizer (...) sem preocupações de toilette gramatical....................." / estilo de Coelho Neto, que era alvo constante das críticas de LIMA nos jornais. B--SEMANA DE 22 - SÉRGIO BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO MIILLIET, OSWALD DE ANDRADE e MÁRIO DE ANDRADE liam e admiravam os contos e crônicas de LIMA ns revistas ilustradas: estilo direto, precisão descritiva da frase, atitude antiliterária e limpeza da prosa. ----- Em 1922, BUARQUE, em mudança para o Rio, quis apresentá-lo à revista "Klaxon", criada naquele anos pelos paulistas, levou um maço de exemplares e quem, logo cedo, abriu a porta da Livraria Schettino foi um negro, mal dormido, logo "amaldiçoando a chegada de um novo freguês" - reconheceu um impaciente LIMA , porém foi incapaz de convencê-lo a juntar-se à revista, "..imitação das revistas americanas de automóvel" (no dizer de LIMA). O 'desencontro' se estendeu na revista "Careta", muito popular, circulação significativa e nacional: episódio de critica aos "futuristas paulistas", com revide na próxima edição de "Klaxon", autoria (não assinada) atribuída a MÁRIO, chamando LIMA de "escritor de bairro". Projeto literário e desejo de ambos, LIMA & paulistas: comunicação com um público amplo. Farpas históricas com ´MÁRIO DE ANDRADE e à frente SÉRGIO BUARQUE DE HOLANDA, troca de diálogos irônicos. 2---FEMINISMO - Criticava as feministas /muita ironias sobre liderança!/ por postura de 'seitas e igrejinhas', mas foi voz ativa na condenação extrema do feminicídio. "Deixem-nas amar à vontade. Não as matem!" - crônica de 1915 sobre os crimes passionai - considerações de que homem não pode ter domínio absoluto ou desprezo sobre a mulher rebaixada à condição de "cousa, animal doméstico, propriedade", e sim muita afeição. Ele achava que as feministas só queriam a eamncipação das clsses mais altas. Duas principais questões da época: a defesa dos direitos das mulheres a qualquer escolha (entretanto o escritor lhes negava o voto, por exemplo, e educação formal, mas ao mesmo tempo defendendo o divórcio) e luta contra o feminicídio deram- lhe a fama de polemista. Em especial a crônica "Não as matem", destaque numa quintologia, atinge a atualidade do século XXI... Muitos uxoricidas! Uma das primeiras vozes contra a condenação branda ou absolvição do macho "matador de mulher". Para ele, o costume do direito de matar era "selvagem e bárbaro". Contradições de sua vida - misógino por crítica, não casou e viveu distante das mulheres, daí talvez a representação monocromática das personagens femininas no geral, seu ponto fraco na função de escritor - porém, em 6 romances, a palavra 'mulher' aparece 455 vezes. -------------------------------------------------------------- FONTE: "Lima e os paulistas" e "Não as matem" - Rio, jornal O GLOBO, 22/7/17. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2018
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 20 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Tempo antigo em que acreditavam na genética imbecil de "raça superior X inferior degenerada". Ele não se percebeu grande, não lutou contra os desafios e o "copo" o atraiu. Grande perda! Parabéns!

Postado por lucia maria em 11-02-2018

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.